Páginas

De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

segunda-feira, janeiro 25, 2016

Oh Elvas, Oh Elvas… Badajoz à vista! ( 2 )

Dia 24janeiro2016 – domingo
BRAGA – OLIVEIRA DE AZEMÉIS ( AS LA SALETTE )
Dever cumprido. Votei na jovem candidata - Votei no Futuro, cansado de velharias!
Há que me fazer à estrada, acreditando nos jovens deste País e na Esperança.
O Dia está convidativo. Sol, estradas pouco movimentadas, a caminho de ‘parceiro’ de viagens com quem vou partilhando interesses comuns.
Onde ficarei hoje? Não importa… importa é sair ainda que fique aqui ao pé.
Espera um pouco Eduardo que não tarda rumaremos em parceria.
Saí já com a noite a cair. Como previa, não fui longe, percorri 108 kims e estacionei para pernoita a escassos metros da AS de La Salette em Oliveira de Azeméis.
_P_ (próximo da AS – N 40º 50’.40.8’’  W 8º 28’ 01.8’’
Percorridos: 108 Kms
Dia 25janeiro2016 – 2ª. feira
OLIVEIRA DE AZEMÉIS ( AS LA SALETTE ) - PENELA - SERTÃ - ABRANTES
Despertado às 6 da manhã com chuva copiosa e trovoada, resolvi prosseguir viagem sendo que até Coimbra a chuva não me largou.
Sertã - Today with rain!!!
Almoço a 'bordo', no parque verde, paredes meias com o Tribunal.
Um café panorâmico acolhedor: ''Bar da Carvalha''...
descida para a Barragem do Zêzere
De novo a sobrevoar PENELA
Do café panorâmico da Sertã, avista-se a minha 'casa itinerante'... conseguem vê-la?...
Telefonema a casal Amigo de longa data (estamos na casa de Lisboa!...) - No problem...
Lá seguirei estrada fora, ainda sem rumo certo... o Antonio Eduardo Matias Costa está um pouco atrasado por motivos atendíveis.
_P_ da Sertã - N 39º 48' 04.05'' - W 8º 05' 56.6''
Passem bem, que eu faço por isso... e vou conseguindo!
Bora lá, que se faz tarde pois os dias ainda são pequenos.
A cada olhada para a retaguarda me dizia que ninguém estaria para trás... boas estradas com 'ninguém'!!!
Nevoeiro e chuva aconselhariam a uma paragem.
Local de pernoita escolhido: ABRANTES.
Abrantes faz parte das minhas memórias... tinha eu 21 anos... Quartel de Abrantes... aos fins de semana a oferta de 'bailaricos' ali para os lados de Constância... nunca me cativaram pois o 'magala' sentava-se ao lado dos pais das moçoilas... que assistiam ao bailarico e não toleravam apertanços...
Aqui vim parar, depois de 3 meses nas Caldas da Raínha e outros 3 em Tavira. Depois... recomecei as minhas 'viagens'... Tancos (curso de ''Minas e Armadilhas'), Lisboa, 2 meses em Angra nos Açores, Tomar... (os soldados 'Açoreanos' chegaram fogo ao velho quartel pelo adiamento do barco para as colónias), segue-se Sra Margarida e Angola!!!
Boas recordações de Abrantes.
_P_ InterMarché - N 39º 28' 27.4'' W 8º 11' 30.5''
 Noite calma a valer... só mesmo no centro... no 'sítio do costume'...
N 39º 27' 35.7'' - W 8º 11' 59.4''
Percorridos: 328 Km ( Dia 220 kM).
Dia 26janeiro2016 – 3ª. feira
ABRANTES - MONTARGIL - ARRAIOLOS - ÉVORA - TORRÃO - ÉVORA
Noite super calma. Um silêncio espetacular.
Amanhecer frio e de nevoeiro.
Há que avançar para Évora onde me dizem estar sol neste momento.
Mesmo se o nevoeiro é incomodativo, lá atravessei o Tejo com a ponte em reparações estruturais.
Travessia do Tejo logo após Abrantes
O sol de novo ao chegar a Ponte de Sor
O Alenjejo prenhe de verde!
Montargil a pedir uma visita


Passagem por Pavia e Arraiolos onde voltarei um dia destes.

À chegada a Évora, recebido com pompa e circunstância pela minha parceria de viagem que abriu um precioso néctar da Vidigueira - 15,5% - Ó Eduardo... rebentas comigo!!!
O Eduardo tinha compromissos solidários a cumprir na Vila do Torrão e fiz-lhe companhia. 
Ao sabor do Gps
Regressados de novo a Évora, o meu cicerone levou-me por estreitas vielas onde ainda não havia passado.

 As feiosas mas sempre apreciadas esculturas do imaginário...
Adicionar legenda



















A parceria autocaravanista a preparar-se para percorrer a Estremadura Espanhola
A 'prova' dos Vinhos Alentejanos
 Uma viela a não perder em Évora.
 Rua do Cano em Évora.

Aqueduto com casa embutida! Delícia!
O que terá surgido 1º? A Casa ou o Aqueduto?
''Diana' às escuras! Tudo em redor é luz!

Para terminar bem o dia... eis que me tocam à campaínha...
Uma surpresa agradável, a visita do simpático casal autocaravanista de Évora, a Paula Vidigal e António. O meu Abraço.
Percorridos: 463 Km ( Dia 135 Km )

sábado, janeiro 23, 2016

Mais uma viagem, que a outra já terminou - Oh Elvas, Oh Elvas… Badajoz à vista! ( 1 )

 16 janeiro 2016 - sábado
Póvoa de Varzim - Vila do Conde
Prisioneiro em razão das eleições, vou andando por perto sobretudo quando o Sol espreita. Apenas um fim de semana, até que me liberte.
Espaço exterior da Marina da Póvoa de Varzim repleta de autocaravanas
Ainda pensei pernoitar por aqui, mas... há sempre um mas... 
Nunca gostei nem gosto de grandes 'ajuntamentos'...
Não obstante essa minha fobia, olhei em redor e o que vi?
Gente que caminha na Eco Via que ali passa e que comenta... comenta...
Pois... Acredito que dê um enorme prazer a alguns autocaravanistas abrir toldos, abrir mesas, colocar fogareiros, etc... etc... ao ar livre, sem ter de pagar local apropriado.
Acontece que não vislumbro 'coisa boa' para este tipo de cenário... 
Que fazer?
Nada! Ou melhor... 'Bazar'!!! Foi isso que fiz.
Por uns, pagarão outros...
 Optei pelo refúgio de Vila do Conde... já com o 'bairro repleto'.
 O amanhecer, sempre agradável, ainda que chuvoso.
Voltei, Votarei e procurarei avançar a sul para levar a efeito percurso em território Espanhol, sem ligar a 'parabólica', para não ouvir o 'chinfrim' eleiçoeiro da 2ª. volta.
Escutarei antes os vizinhos do ''PODEMOS''!
Eduardo, já estás preparado para encetarmos o trajeto que pacientemente já elaboraste?
Bora lá. Estou quase a caminho.

quinta-feira, dezembro 31, 2015

Ano Novo à espreita


2015 / 2016
Já vai sendo uma tradição, fazer uma pequena viagem ao entrar no Novo Ano.
Longe vão os tempos em que no Norte de África me banqueteava com ‘Lagosta’… os tempos são outros… haverá certamente alternativas.
Dia 30dez15 – 4ª feira
BRAGA – COIMBRA
Uma tarde de viagem envolta em tons carregados de chuva e nevoeiro.
Era suposto irmos ficar à Batalha, contudo, mesmo se fizemos a viagem inicial por autoestrada, a prudência recomendaria a prudências mil.

Chegada a Coimbra e pernoita do outro lado do Mondego. Já lá estavam meia centena de AC...
Percorridos: 170 Km  
Dia 31dez15 - 5ª. feira
COIMBRA - MARINHA GRANDE - NAZARÉ - SÃO MARTINHO DO PORTO
Com a chuva a deixar-nos (por hoje), aproveitamos para percorrer a relativa curta distância sem percalços.
Pequena paragem na Marinha Grande para reabastecimento.
Ao chegarmos a São Martinho do Porto, verificamos aquilo que já era esperado... ao longo da linda Baía, um sem número de autocaravanistas estacionados em redor.


Previamente e contra o que é habitual, fomos direitinhos ao Camping da terra, explorado pela Junta de Freguesia.
Local privilegiado e a um custo aceitável (€ 13,00 2pax+AC+elet+Wifi).
Após o almoço a bordo, a caminhada habitual por tão aprazível lugar onde os preparativos para a noite de passagem de ano se iniciavam.
O nosso bairro... ao fundo à direita!
Pois... aqui também... ;-(

E à noite? Pois... mais um pouquito.

Mesmo de não os conhecia, tive o prazer de lhes fazer esta foto, porque mo pediram! Um Bom Ano Juventude!





Percorridos: 294 Km ( Dia 124 Km )
Dia 1 janeiro 2016 - 6ª. feira
São Martinho do Porto - Foz do Arelho

Chegados à Foz do Arelho lá estavam já uma vintena de autocaravanas.
Com as últimas chuvas, o piso térreo irregular apresentava-se repleto de 'pântanos' que tornavam o espaço pouco apetecível. Compensa contudo a paisagem em redor.
Aqui vim a conhecer pessoalmente autocaravanista Alentejana com quem sempre trocamos dicas e informações sobre viagens sobretudo através do seu blog - Paula Vidigal - mas que nunca nos havíamos cruzado nas itinerantes viagens . 
É claro que ADORO sempre conhecer GENTE BOA com quem partilho o gozo de viajar. A minha 'preparação/formação' na área da 'psicologia', faz com que traduza um perfil cibernético de forma a entender o tipo de pessoa que está 'do outro lado'... Só escolho as pessoas interessantes, sejam elas mais velhas ou mais novas. Estão algumas pessoas 'em carteira' para as conhecer ... uma delas é o João Morgado... e mais alguns... Lá chegaremos!!!.
Dia 2 janeiro 2016 - sábado
Foz do Arelho - Buddha Eden Bombarral - Óbidos
Pela manhã, pequena caminhada com passagem no pequeno presépio de jardim.


Foz do Arelho - presépio

  
A meio da manhã, rumaríamos ao ''Budha Eden'' no Bombarral.
Aceitamos o convite e fomos visitar a Quinta dos Loridos, onde se encontra aquele que dizem ser o maior jardim oriental da Europa, o impressionante Buddha Eden. Com cerca de 35 hectares, o jardim surge em resposta à destruição dos Budas Gigantes de Bamyan, naquele que foi um dos maiores actos de barbárie cultural, apagando da memória obras-primas do período tardio da Arte de Gandhara.

Entre budhas, pagodes, estátuas de terracota e várias esculturas cuidadosamente colocadas entre a vegetação, estima-se que foram usadas mais de 6 mil toneladas de mármore e granito para edificar esta obra monumental.

A escadaria central é o ponto focal do jardim, onde os buddhas dourados dão calmamente as boas-vindas.
A Emília não resistiu à pose...
No lago central é possível observar os peixes KOI, e os dragões esculpidos que se erguem da água.
Quinta dos Loridos - Bombarral
Tivemos ainda a oportunidade de observar os 700 soldados de terracota pintados à mão, cada um deles único, encontrando-se alguns enterrados como há 2.200 anos atrás.


Se não conhecem, recomendo a visita a este  lugar único de paz e tranquilidade que vos vai surpreender.
Mesmo se poderíamos pernoitar no local, optamos por o fazer na 'Vila Natal' de ÓBIDOS.
Óbidos
Com o estacionamento repleto, não fora fim de semana, conseguimos naquele espaço a que chamam AS para autocaravanas a troco dos € 6,00 da praxe.
Ainda a tempo de calcorrearmos as estreitas vielas e de caminhar no cimo das muralhas, já o dia caía.


Dia 3 janeiro 2016 - domingo
Óbidos -  Alcobaça - Batalha
A meio da manhã, seguimos para ALCOBAÇA, tendo estacionado no parque do Mercado já que o 'Camping' semi-inactivado se encontrava fechado mas com uma autocaravana habitada e ligada à corrente eléctrica... não deu para entender...
Ao domingo, não falta estacionamento
Com o dia tristonho, nada melhor que revisitar o Mosteiro ainda mais em dia de não pagamento de bilhete de ingresso.
Se bem que continue em restauro, já muitos espaços podem ser apreciados com a 'cara lavada'.
A Real Abadia de Santa Maria de Alcobaça, também conhecida como Mosteiro de Santa Maria de Alcobaça, é uma das obras-primas da arquitectura e história Portuguesa, classificada pela UNESCO como Património Mundial, considerada mesmo uma das mais importantes abadias Cistercienses Europeias.
Doada pelo primeiro rei Português, D. Afonso Henriques, a Bernardo de Claraval, as obras de construção da Abadia iniciaram-se em 1178, sendo a primeira obra verdadeiramente em estilo Gótico, erguida em solo português. Os seus traços gerais enquadram-se no rigor, austeridade e pureza das formas construtivas do espírito de S. Bernardo, que se devotava à oração, penitência, renúncia aos bens materiais e trabalho manual, em constante comunidade e no mais absoluto silêncio.
Túmulo de D. Inês de Castro

Do conjunto monástico fazem parte a Igreja com planta em cruz latina, e três claustros seguidos, de dois andares. Recentemente foi descoberta a existência de um quarto claustro que terá sido destruído aquando o grande terramoto de 1755.
De grande destaque é o Deambulatório, a Sala do Capítulo, a Sacristia, a Capela das Relíquias, o Parlatório, o Dormitório, a Sala dos Monges, o Refeitório, a Cozinha Velha e Nova, os túmulos de D. Afonso II (1185-1123) e D. Afonso III (1210-1279) e os muito famosos túmulos de D. Pedro e D. Inês de Castro, naquela que é considerada uma das mais trágicas histórias de amor de Portugal.
D. Pedro e D. Inês de Castro
O príncipe D. Pedro (1320-1367), casado com D. Constança Manuel, perde-se de amores por uma das aias de sua mulher, a castelhana Inês de Castro. Após a morte de D. Constança, o rei assume publicamente o seu amor por D. Inês, passando a viver maritalmente com esta, nascendo desta relação três filhos. A relação foi condenada pelo pai de D. Pedro, o rei D. Afonso IV, condenando à morte, em 1335, D. Inês, por alegada traição ao reino.
Após subir ao trono D. Pedro I levou a cabo a missão de vingança, condenando com violência todos os culpados e envolvidos na morte da sua amada, decretando também D. Inês como rainha de Portugal.

D. Pedro ordenou a construção do seu túmulo e da sua amada, transladando os restos mortais de D. Inês para o Mosteiro de Alcobaça, constituindo hoje uma das maiores esculturas tumulares da Idade Média no País.


A chaminé da cozinha

O Rei determinou no seu testamento que, aquando a sua morte, os túmulos deveriam ser colocados de modo a que no dia do juízo final, quando os dois apaixonados ressuscitassem, se olhassem olhos nos olhos.
Hoje em dia estes túmulos são visitados por muitos apaixonados, muitos no próprio dia do casamento, dizendo-se que quem jura fidelidade a este amor, vê a eternidade do seu próprio.


''Novíças''








video

AS para AC da Batalha - local de pernoita
Dia 4 janeiro 2016 - 2ª. feira
BATALHA - TOMAR

À chegada a Tomar demos entrada no sempre agradável Parque de Campismo onde 2Pax + AC + duche quente + eletricidade não chega a € 10,00.

Da parte de tarde com o tempo desagradável apontamos como destino o Convento de Cristo que já não visitava há cerca 4 anos.

Curioso por visitar a ''charola'' já que foi objecto de restauro há cerca de um ano.

Antes de encetarmos a subida, ainda visitamos a Igreja de S. João Batista sendo que os nossos amigos preferiram aguardar pelo vaivém que os levaria até lá.
Igreja S, João Batista - Matriz
Matriz


Convento de Cristo é o nome pelo qual é geralmente conhecido o conjunto monumental constituído pelo Castelo Templário de Tomar, o convento da Ordem de Cristo da época do Renascimento, a cerca conventual, hoje conhecida por Mata dos Sete Montes, a Ermida da Imaculada Conceição e o aqueduto conventual, também conhecido por Aqueduto dos Pegões. 

 

 O castelo teve a sua fundação em 1160 e compreendia a vila murada, o terreiro e a casa militar situada entre a casa do Mestre, a Alcáçova, e o oratório dos cavaleiros, em rotunda, a Charola, esta concluída em 1190.

Em 1420, com o castelo então sede da Ordem de Cristo, o Infante D. Henrique, o Navegador, transforma a casa militar num convento, para o ramo de religiosos contemplativos que ele introduz na Ordem de Cristo, e adapta a Alcáçova para sua casa senhorial.


No início do século XVI, D. Manuel I, Rei e Governador da Ordem de Cristo amplia a Rotunda templária para ocidente, com uma nova construção extramuros, a qual inicia um discurso decorativo que celebra as descobertas marítimas portuguesa, a mística da Ordem de Cristo e da Coroa numa grandiosa manifestação de poder e de fé.
 A partir de 1531, com a reforma da Ordem de Cristo, por D. João III, vai ser construído o grandioso convento do renascimento, contra o flanco poente do castelo, e rodeando a Nave Manuelina. O convento verá a sua conclusão com o aqueduto com cerca de 6 km de extensão, com Filipe II de Espanha, e com os edifícios da Enfermaria e da Botica, no tempo que sucedeu à guerra da Restauração.
A ''charola'' que já conhecia mas antes do restauro
O conjunto destes espaços, construídos ao longo de séculos, faz do Convento de Cristo um grandioso complexo monumental que mereceu a classificação de Património da Humanidade, pela UNESCO. 
 A Charola era o oratório privativo dos Cavaleiros, no interior da fortaleza. A sua tipologia é comum das igrejas bizantinas, a qual volta a integrar o românico com o movimento das Cruzadas.
 Nesta tipologia o templo tem como base uma planta se desenvolve em torno de um espaço central, o qual, na rotunda templária, tem a forma de um prisma octogonal, ou tambor, que se desdobra em dezasseis faces no paramento do deambulatório, encerrando deste modo a volumetria do edifício. Concluída em 1190, a Charola tinha a entrada virada a oriente. Foram as obras de D. Manuel I que a estabeleceram a sul, na nave com que ampliou a igreja, extramuros do castelo.
Já com o castelo sede dos cavaleiros de Cristo, o Infante D. Henrique, governador e regedor da Ordem de 1420 a 1460, irá fazer as primeiras alterações na rotunda templária com vista a dotá-la dos requisitos espaciais com vista a aí se desenrolar as funções litúrgicas do ramo de frades contemplativos que ele entretanto introduzira na Milícia de Cristo. Para tal ele vai abrir dois janelões no paramento dos dois tramos do deambulatório virados a poente, para depois aí instalar, pendurado na alvenaria um coro em madeira. Ao mesmo tempo faz abrir quatro capelas nas paredes do deambulatório orientadas a NE, NO, SE e SO. Nos restantes tramos instala altares circundando o deambulatório.
Com a ampliação do espaço litúrgico por D. Manuel I, são removidos os madeiramentos do Infante e os tramos dos janelões são definitivamente abatidos para dar lugar ao vão do arco triunfal que articula o espaço templário com a nave manuelina. A Charola passará então a funcionar como capela-mor da nova igreja conventual. Será enriquecida com obra de arte sacra que incluiu escultura, pintura sobre madeira e sobre couro, pintura mural e estuques. Particularmente importante foi a descoberta, nos nossos dias, de pinturas manuelinas a abóbada do deambulatório, e que haviam sido recobertas de cal em época posterior ao terramoto de 1755, cujos efeitos se fizeram sentir no edifício.
  O seu restauro ocorreu entre 1987 e 2014.





A janela 'Manuelina'
A Nave manuelina, tanto internamente como exteriormente, é guarnecida de uma profusa ornamentação escultórica simbólica, heráldica e sacra. Todos os elementos arquitectónicos, cimalha, pináculos, contrafortes, janelas, etc., são envoltos numa profunda plasticidade que os temas figurativos lhes conferem, a ponto de dissimularem as suas funções arquitectónicas e estruturais.
O caso mais emblemático deste tratamento formal, são as janelas da sacristia manuelina dita "Casa do Capítulo". Inicialmente em número de três, chegaram aos nossos dias duas: Uma, em segunda luz, virada a sul, é visível do Claustro Principal, a outra, na fachada ocidental, é a famosamente conhecida por Janela do Capítulo.
 Ladeada por dois gigantescos contrafortes, ou botaréus, esta janela é ornada por um exuberante universo figurativo onde estão presentes os temas de marinhagem - a madeira, o cordame, as bóias, etc., - as insígnias da Ordem - a cruz heráldica, esfera armilar, o brasão do reino, - e figurações simbólicas, particulares à mística da Cavalaria Espiritual e à missão que a Ordem de Cristo tinha na empresa das Descobertas. 









Terminada a visita, regressamos ao 'camping' sob copiosa chuva.





Dia 5 janeiro 2016 - 3ª. feira
TOMAR . Foz de Alge - Figueiró dos Vinhos - PINHEL
Ainda a manhã não tinha terminado e eis que os nossos habituais parceiros de viagem, decidem rumar diretamente para Coimbra.
Não os acompanhamos, optando por irmas à descoberta de local que um dos autocaravanistas que não conhecemos pessoalmente - João Morgado - nos disse ter lá passado o ano - a Foz de Alge.
O Gps decidiu por nós o percurso e quando assim é, nem sempre é o caminho mais indicado pois levou-nos por entre eucaliptais e estradas estreitas o que em tempos de invernia não seria aconselhável.
Do alto avista-se a Foz de Alge e o Rio Zêzere
Não nos demove a vontade de ir ao encontro de locais e espaços por onde ainda não havíamos passado. Ficamos clientes mas não para hoje.
Camping da Foz de Alge
Mesmo se o casal e filho que exploram o camping nos receberam agradávelmente, optamos por não ficar por ainda ser cedo e com a meteorologia a não convidar somava-se o facto de nos habilitarmos a ser os únicos clientes.
Mesmo com o mau tempo, as instalações ( bar, restaurante) são confortáveis e acolhedores.
Avançamos uma dezena de quilómetros até Figueiró dos Vinhos onde apenas nos limitamos a conhecer os dois espaços dedicados aos autocaravanistas.
Rio Zêzere - Foz de Alge
Foz de Alge
No centro da terra, um espaçoso parque de estacionamento e uns quilómetros mais acima numa zona sobranceira uma agradável área de serviço para autocaravanas devidamente sinalizada.
Figueiró dos Vinhos - AS para AC
AS de Figueiró dos Vinhos
AS de Figueiró dos Vinhos
O local escolhido para pernoitar, foi a sempre interessante PINHEL.
Dia 6 janeiro 2016 - 4ª. feira
PINHEL - COIMBRA 
Pinhel pela manhã
Partimos da parte da manhã para Coimbra estacionando à porta do Convento de Santa Clara a Velha, para o visitarmos após o almoço 'a bordo'.
O interior do novo complexo adjacente ao Convento
Ao mosteiro de Santa Clara-a-Velha de Coimbra anda associada uma inestimável memória histórica construída em larga medida pelo carisma da sua fundadora, a rainha Santa Isabel, e pelas marcas que nele deixou quando o escolheu para cenário dos seus últimos anos de vida e lhe legou os seus restos mortais.
Silenciando o grave diferendo, que a primeira fundação deste mosteiro, devida a D. Mor Dias, havia provocado, a rainha Isabel obteve do Papa Clemente V, a 10 de Abril de 1314, a necessária autorização para fundar um cenóbio da Ordem de Santa Clara, em Coimbra. A morar nesta cidade, desde a morte do marido, ocorrida em 1325, a rainha Santa pôde acompanhar activamente os trabalhos de edificação do mosteiro, bem como do paço, que mandou fazer para sua residência, nas imediações deste, e do hospício para trinta idosos, com capela anexa, localizado, igualmente, nas suas proximidades. A construção do novo mosteiro de Santa Clara de Coimbra, cuja igreja, dedicada a Santa Clara e Santa Isabel da Hungria, foi sagrada, pelo bispo de Coimbra, D. Raimundo, a 8 de Julho de 1330, pôde assim contar com o alto patrocínio, mas também com o empenhamento pessoal da fundadora.
A igreja monástica, atribuída ao arquitecto régio Domingos Domingues, é detentora de uma singularidade tipológica que a afasta, tanto em planta, quanto em alçado e em sistema de cobertura, das mais características igrejas construídas, entre nós, pelos mendicantes. Distinguem-se, igualmente, das restantes igrejas góticas suas contemporâneas, pela ausência de transepto, a elevação das três naves quase à mesma altura e abobadamento integral. A originalidade desta complexa igreja encontra explicação no patrocínio e interesse da sua régia fundadora, que a quis converter na sua necrópole, fazendo, para isso, nela colocar o seu monumental sepulcro pétreo com estátua jacente e decoração em todas as faces.
Por detrás da cortina...
Nas imediações do mosteiro, situado na periferia da cidade de então, começou a esboçar-se um novo burgo denominado dos paços da rainha ou de Santa Clara, constituído pelos que vieram trabalhar nas obras ou lá acorriam a demandar trabalho e por todos quantos aí convergiam atraídos pela fama de generosidade da rainha.
A história do mosteiro de Santa Clara de Coimbra ficou marcada de forma permanente, a partir do ano seguinte ao da sagração, pela invasão das águas das cheias do Mondego. Esta circunstância obrigou a uma incessante e secular luta contra as condições adversas do sítio em que havia sido implantado. O assoreamento do leito do rio fez com que, no século XV, não só cheias excepcionais, mas qualquer uma, incomodasse os conventos localizados na vizinhança deste rio e, no decurso do século XVII, os edifícios do mosteiro de Santa Clara tiveram também de se adaptar às condições criadas por esta perniciosa situação, através do lançamento de um piso a meia altura da igreja. 
No entanto, a situação no mosteiro tornou-se de tal modo insustentável que, em 1647, o rei D. João IV ordenou a construção de um novo mosteiro para onde as religiosas clarissas se transferiram, em 1677. O primitivo mosteiro, que passou, a partir de então, a ser designado de Santa Clara-a-Velha, entrou num progressivo processo de destruição e abandono, tendo no século XVIII, a Câmara de Coimbra deliberado que, por razões de saúde pública, fosse demolido o remanescente das construções monásticas arruinadas. A igreja que pela sua solidez havia resistido às investidas arrasadoras das cheias, voltou a aguentar as medidas de demolição decretadas pela autarquia. 
Adicionar legenda

No entanto, no século XIX, após a extinção das ordens religiosas, foi adquirida por particulares, profanada e utilizada para fins tão diversos, como habitação, celeiro e até curral. Somente em 1910, já meia enterrada nas areias do Mondego, a igreja de Santa Clara viu ser-lhe atribuída a classificação de Monumento Nacional, mas apenas nas décadas de trinta e quarenta sofreu trabalhos de restauro, a cabo da Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais (DGEMN). Tratou-se de uma intervenção de vulto na parte superior do edifício da igreja, uma vez que a parte inferior continuava enterrada, que lhe conferiu o aspecto que manteve até à década de noventa desse século.

A partir de 1992, encontra-se em curso uma profunda intervenção, a cargo do IPPAR, que já resgatou a parte inferior da igreja e o remanescente do claustro, que irão ser restituídos a visitantes em “ambiente seco”, visto ter sido essa a opção tomada para preservar este monumento, que obrigou à construção de uma Cortina de Contenção Periférica. A extracção dos sedimentos acumulados no interior da igreja permitiu obter um conhecimento mais aprofundado da sua arquitectura, avaliar o modo como a foram adaptando às condições desfavoráveis so sítio e recolher um espólio, não só numeroso como muito variado. Porém, a grande novidade desta intervenção residiu na exumação do claustro, uma vez que se tratava de um “monumento desaparecido” e escassamente documentado. Após a profunda intervenção patrimonial a que está a ser submetido e depois de concluídos os estudos e investigações em diversas áreas do saber, que sobre ele têm, também, vindo a ser empreendidos, espera-se que um conhecimento mais alargado sobre o mosteiro de Santa Clara-a-Velha de Coimbra e a sua fundadora possa vir a ser divulgado junto de um vasto público.
Francisco Pato de Macedo

 Já após o regresso a casa, vejo nas TV's que este Mosteiro havia sido inundado com o mau tempo e que a zona onde pernoitei também ficou inundada  pelo Rio Mondego...



No final da tarde, fomos 'lanchar' a casa de Amigos de muito longa data.
Dia 7 janeiro 2016 - 5ª. feira
COIMBRA - AVEIRO
De manhã é que se começa o dia.
Na sequência da visita da véspera, pensamos melhor ir ao encontro de peças valiosas que entretanto estão a salvo no Museu Nacional de Machado de Castro.
Subimos a inclinada calçada até à Sé Velha

As coleções do museu de Coimbra espelham a riqueza da Igreja e a importância do mecenato régio às quais se devem muitas das suas obras de arte e alfaias religiosas de maior valia. A escultura monocromática ou policroma, em madeira e pedra, ocupa lugar cimeiro, ilustrando com numerosas obras-primas o trabalho das melhores oficinas flamengas e também a evolução das escolas portuguesas da Idade Média ao século XVIII. 

Ainda assim, os núcleos de pintura, ourivesaria, cerâmica e têxteis, impõem-se com igual importância e representatividade para a arte importada e a produção nacional. 
Distinguem-se ainda as coleções arqueológicas provenientes da cidade e as de arte oriental.


O Museu Nacional de Machado de Castro deve a sua designação ao conimbricense que foi escultor régio nos reinados de D. José, D. Maria I e D. João VI e o mais notável representante da escultura portuguesa do século XVIII. O Museu abriu ao público em 11 de Outubro de 1913, ocupando os edifícios que, do século XII ao século XVIII, se foram construindo para residência episcopal e, em meados do séc. XX, se adaptam à função museológica. Particularmente notáveis são os vestígios do claustro do período “condal” (c. 1100-c. 1140) e o criptopórtico datado do séc. I que constitui a mais importante construção romana conservada em Portugal. 




Reaberto na sua totalidade no final de 2012 – seguindo o projeto de requalificação e ampliação do arquiteto Gonçalo Byrne –, o MNMC possui, atualmente, as condições imprescindíveis para ser entendido como espaço de encontro entre a memória e a contemporaneidade.








O Museu Nacional de Machado de Castro é um dos mais importantes museus de Belas-Artes de Portugal.


Capitel séc XI - Mosteiro Sta Clara Velha 


Terminada a visita, optamos por fazer a descida de 'vaivém' até ao centro onde num pequeno restaurante almoçamos um delicioso prato de 'pataniscas de bacalhau'.
O meio de transporte que utilizamos
Depois de uma manhã bem preenchida culturalmente, retomamos viagem em direção a norte até à cidade de Aveiro.
Claro que ao passar no 'Pedro dos Leitões' na Mealhada, adquirimos duas apetecíveis 'sandes' de leitão que regamos com um  tinto Alentejano.
Leitão à Bairrada
Aveiro

Ainda gizamos a hipótese de ficar mais um dia pois a preparação para as festas de São Gonçalinho já davam sinais de si.
Pernoitamos e decidimo-nos pelo regresso já que a chuva não mata, mas desmoraliza.
Dia 8 janeiro 2016 - 6ª. feira
AVEIRO - BRAGA
O último dia de viagem, por norma, nada há de especial a assinalar.
A passagem no estádio do 'Dragão'