Páginas

De Autocaravana, tenho vindo a viajar ''cá dentro'' e pela Europa... para lá do Círculo Polar Àrtico - até ao Cabo Norte, onde vivenciei o ''Sol da Meia-Noite''.
Viajei em Autocaravana pelo Norte de Àfrica... (mais de uma vez), muito para lá do Trópico de Cancer... até à Guiné-Bissau.
Fui também por estrada à Àsia - Turquia e Capadócia, sendo que no regresso fiz a Croácia e dei um saltinho a Mostar e Saraevo na Bósnia-Herzegovina.
Sem pretensiosismo literário ou outros, apenas pela PARTILHA, dessas e outras viagens vou dando conta neste espaço.

Países visitados em Autocaravana: - EUROPA: ESPANHA – ANDORRA -FRANÇA-ITÁLIA-MÓNACO- REINO UNIDO - IRLANDA -HUNGRIA-REP.CHECA-SUÉCIA-ESLOVÉNIA - ESLOVÁQUIA- POLÓNIA-AUSTRIA-SUIÇA-ALEMANHA-BÉLGICA-HOLANDA-DINAMARCA-NORUEGA-FINLÂNDIA-ESTÓNIA-LETÓNIA-LITUÂNIA-BULGARIA - BÓSNIA HERZGOVINA- ROMÉNIA -GRÉCIA – CROÁCIA – LIENCHSTEIN – LUXEMBURGO – S.MARINO - VATICANO ÀSIA : -TURQUIA-CAPADÓCIA ÀFRICA: GUINÉ-BISSAU – CASAMANÇA – GÂMBIA – SENEGAL – MAURITÂNIA – SAHARA - MARROCOS

Outras viagens:RÚSSIA (Moscovo e S. Petesburgo) -AMÉRICA do NORTE:CANADÁ (Quebec-Ontário-Montreal-Otawa-Niagara falls) - EUA(Boston-Nova Iorque-Cap Kenedy-Orlando - Miami)AMÉRICA CENTRAL:CUBA (Havana - S. Tiago de Cuba - Trinidad - Cienfuegos - Varadero)- ÀSIA :CHINA (Macau-Hong Kong) - VIETNAM(Hanói-Danang-Ho Chi Min) -

sábado, maio 16, 2015

Sol que brilha e aquece VII

Dia 9 de viagem - 14maio2015 - 5ª. feira
Aldeadávila de la Ribera (Esp.) - Barrueco Pardo ( Esp) - Barragem de Saucelle (Esp) - FREIXO DE ESPADA À CINTA
Havia pensado seguir viagem, mesmo se o meu Amigo de Bragança me havia dito para fazer um passeio de barco idêntico ao que há um bom par de anos fiz em Miranda do Douro.
Como haveria de descortinar o 'barco'... lá ao fundo?...
Pela manhã, ao agradecer o wifi disponibilizado pelo Albergue (contíguo à AS) na pessoa da sua responsável Blanca, confirmou-me a existência do barco a 5 km dali.
Gentilmente ofereceu-se para me 'dar boleia' caso eu preferisse ir a uma 'Romaria' a uma capelinha lá num alto... Optei pelo barco, que apenas sairia às 16,30h da tarde.
O 'passeio' seria de hora e meia e custaria € 16,00/pessoa.
Constatei ser idêntico ao de Miranda do Douro, embora um percurso mais longo... cerca de 12 km até ao final da albufeira.


 A profundidade neste trecho do Douro, terá uns 100 metros.
A altitude de algumas ravinas graníticas verticais tem 400 mts.

A guia ia debitando informação e apontando para os ninhos de aves em vias de extinção








penhascos de se lhe tirar o chapéu


Num dia de semana e o barco práticamente repleto
A ave observa-nos atenta - o vidro do barco dá a ideia de imagem desfocada...
Uma visão diferente do miradouro onde estive a 400 mts altitude/rio - O Picón de Felipe. 



Com a tarde a avançar, decidi reentrar em Portugal.
Ainda do lado Espanhol, passagem fugaz na raiana Barrueco Pardo e início de estrada ziguezagueante e estreita.

Ao verificar que a estrada passou a ser estreita, maltratada e curvas sem fim, perguntaria a algumas 'almas' que faziam caminhada, se existia passagem para o outro lado do rio...
Riram e confirmaram-me que sim.





Após a descida, finalmente a passagem sobe a estrutura da barragem.
Dali a Freixo de Espada à Cinta, a viagem foi curta.
Chegado ao complexo desportivo onde se localiza a AS para Ac, deparei-me com os portões fechados.
Valeu-me uma idosa, que do quintal me disse que já outros 2 AC haviam retrocedido, para não o fazer pois era habitual o funcionário (depois das 6) correr o portão mesmo se não o fechava à chave.
Verdade verdadinha... encontrei lá uma só AC (Holandesa).
Ligada a corrente elétrica, passei uma noite calma.
Percorridos: 491 Km ( Dia 73 km )
Dia 10 de viagem - 15maio2015 - 6ª. feira
FREIXO DE ESPADA À CINTA - Ligares - Açoreira - TORRE DE MONCORVO - S. João da Pesqueira

quarta-feira, maio 13, 2015

Sol que brilha e aquece VI

Objetivo atingido - PICÓN de FELIPE.
Dia 8 de viagem - 13maio2015 - 4ª. feira
Aldeadávila de la Ribera (Esp.)
O dia hoje manteve a temperatura da véspera, mesmo se o sol apenas saía por detrás da névoa de tempos a tempos.
estacionei a 7 km da localidade para a pé percorrer o trilho até ao  Picón de Felipe
Este Município encontra-se no extremo noroeste da Província de Salamanca, uma zona relativamente plana com uma altitude média de 750 mts que fazem do conjunto paisagístico conhecido pelo nome de ''Las Arribes del Duero'' onde um forte encaixe na rede fluvial lhe confere cenários de extraordinária beleza.
Este dantesco cenário, desliza  de forma prolongada por paragens ásperas, selvagens e solitárias, com verticais rochosas que em certos locais superam os 400 mts. de altura. Nos pontos mais salientes, surgem autênticos miradouros de onde se pode observar os respeitáveis precipícios.
Estas características, determinam que o clime seja muito suave, com uma fauna e vegetação atípica para estas latitudes.
Barragem de Aldeadávila de la Ribera
Assim, encontrei nas Arribas dois mundos: por um lado, o situado nas planuras, em que a relativa distância do rio Douro se encontram alguns rústicos aldeamentos graníticos e por outro, o vale por onde rola o rio, de clima mais quente e onde os solos pouco férteis e de escassa profundidade.

A riquíssima flora e fauna existente na zona motivou a que se encontre incluída entre os Espaços Naturais mais importantes da Europa, declarada ZEPA (Zona de especial proteção para as Aves) e LIC ( Lugar de Interesse Comunitário ) para além de Parque Natural.
As terras próximas das correntes de água, mais agrestes e inacessíveis, aleados a alguma bondade dos habitantes, permitiram conservar uma biodiversidade já extinguida no resto da Europa.

Os esconderijos escondidos nas escarpas inacessíveis aos humanos, terá um enorme número de espécies catalogadas em vias de extinção, especialmente aves, que aproveitam os rochedos e a diversidade de recantos incrustados, para na sua relativa tranquilidade, nidificar e estabelecer o seu habitat, sendo este o motivo principal da sua conservação. Isto acontece dos dois lados de Espanha e Portugal.
Uma ilustração dos locais por onde viajo.
Quem percorre esta região, delicia-se  com as suas paisagens maioritariamente imaculadas e descobre um património natural único e de uma beleza inigualável, que guarda toda a sua particularidade, favorecendo a preservação de espécies vegetais e animais existentes nas encostas alcantiladas do rio Douro. 

Quanto ao resto, resto, estas paisagens falam por si. 

Longe da agitação e da pressão das grandes aglomerações, estas zonas, não sofreram a destruição sistemática dos seus valores patrimoniais, naturais e humanos, assegurando a persistência dos saber-fazer tradicionais e transformando aspectos, quase sempre conotados com facetas negativas, como o isolamento, a ruralidade e a fraca ocupação humana, em condições muito atractivas, sobretudo para quem, cansado do ritmo intenso do trabalho diário e do modo de vida urbano, deseja a regeneração, o lazer, a aventura e o bem-estar.

Objetivo atingido - Picónde Felipe

Estes locais distam da povoação 7 kms. O restante percurso é feito por trilho e na parte final com alguma pouca escalada... nada que não se faça...
Mirador del Fraile


Mirador del Fraile

Levei na 2ª. investida a AC até ao portão da central elétrica... pensei existir local para a inversão de marcha... mas... niente!!!
Existem outros percursos pedonais mais ousados: RUPURUPAY (dificuldade Média / 8,57 km) e RUPITIM e RASTRÓN (dificuldade Alta / 13,21 Km ), que um dia farei, encontre eu quem alinhe.
Percorridos: 416 km ( Dia 16 km )